segunda-feira, 22 de março de 2010

As duas faces do mesmo sistema

Posted in by Bruno Marconi da Costa | Edit

30 de março de 2008. Uma menina de apenas cinco anos é arremessada do sexto andar de um prédio localizado em um bairro de classe média em São Paulo. A rede de contenção presente na janela do apartamento estava rasgada. O próprio pai da criança e sua madrasta foram acusados do crime.

14 de março de 2010. Um menino de apenas catorze anos assassina o pai a facadas em Sarandi, município pobre de Maringá. Em sua defesa, o garoto alega que não se arrepende do que fez, pois seu pai batia recorrentemente em sua mãe e levava prostitutas para casa onde moravam.

22 de março de 2010. Todos acompanham o julgamento do Caso Isabella Nardoni por vários meios da mídia (virtual, impressa e televisiva), comentado por especialistas, jornalistas, palpiteiros e lotado de juízos de valor.
O garoto foi publicamente julgado por José Luiz Datena em seu programa, na Rede Bandeirantes, e não se sabe (por meio virtual) o que acontecerá com o rapaz e quantos anos de internação terá o menor.

14 de julho de 1789. O povo francês se revolta em Paris e toma a Bastilha, momento inaugural simbólico da Revolução Francesa. Pela primeira vez o regime de privilégios econômico-jurídicos da nobreza é abolido, fundando a base da democracia na França e influenciando o resto do mundo. Seus principais ideais eram de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

4 Comments


  1. Daniel Moreira Safadi says:

    Ideais ainda bastante utópicos, infelizmente...todos eles! As coisas sempre se desvirtuam, ideais acabam nunca sendo executados da maneira ideal (com o perdão da redundância ;))

    22 de março de 2010 14:06

  2. Céu do Entardecer says:

    "...Gostaria que minhas palavras tivessem poder em sua forma e intensidade,
    Poder este, de reescrever as linhas de algumas páginas da história
    E moldá-las com as palavras certas, criando algo novo e sem igual,
    De modo a suprimir a existência de muitos males, apagá-los da nossa memória,
    Começaria impedindo até mesmo a existência do termo: “desigualdade social”.

    Wesley Henrique Gonçalves "

    23 de março de 2010 15:47

  3. Thyago says:

    Não gosto nem um pouco da forma como o caso da menina foi tratado, e da mesma forma, não gosto da forma como o caso do menino o foi, mas o que mais me incomoda é a forma como as pessoas não se importam com o mais importante da questão, que é resolver as causas. "Todo mundo" só quer saber de punir...

    28 de março de 2010 11:23