sexta-feira, 19 de março de 2010

Último soneto a Helena

Posted in by Bruno Marconi da Costa | Edit

Saiba, pois, que ainda sonho em ti,
Memória caótica, conturbada;
Sussurro da felicidade passada
e de toda a angústia que eu senti.

 

Sinto, então, um absoluto nada:
Apenas lembranças do que vivi ali
na sombra da cama compartilhada:
todas as vezes que, em ti, chorei e ri.

 

Lembra-te, no fim, de mim, Helena,
Pois aprende-se muito no recordar
O que o presente não te ensina!

 

E quando no leito final descansar
Lembra-te quem se perdeu nas entrelinhas
Do labirinto aflito de te amar!

6 Comments


  1. Gisele says:

    Old loves,they die hard. Old lies, they die harder. XD

    Esses últimos volta e meia vão deixando de ser os últimos, vão virando outros últimos, e outros últimos...XD hahahahh

    =*****

    19 de março de 2010 17:17

  2. Daniela says:

    Historiador, karateca, vocalista e poeta. Não necessariamente nesta ordem. :)

    :*

    20 de março de 2010 11:21

  3. Céu do Entardecer says:

    Verdadeiro e intenso...
    Adorei...

    23 de março de 2010 15:57

  4. Thyago says:

    Lindo =)

    E, de fato, aprende-se muito no recordar, o que o presente não ensina.

    28 de março de 2010 11:18

  5. Andréa Paes εїз says:

    owwwwwwwwwwwnnnnnnnnn.. Ti lindoooooooo!

    2 de abril de 2010 10:23

  6. Yuri Costa says:

    Pois é, heem, Brunão.
    Quem diria, bom demais! Parabéns!

    2 de abril de 2010 10:38