terça-feira, 19 de outubro de 2010

Algumas confissões que não faço questão de esconder

Posted in by Bruno Marconi da Costa | Edit

Desde que eu entrei na faculdade de História, mudei muito. Em março de 2006, na calourada da minha turma, eu tinha acabado de sair da Crisma e já tinha críticas à Igreja como instituição. Entrava nas missas com a camisa do album Temple of Shadows do Angra. Escrevia poemas em decassílabos perfeitos e rimas pretensamente ricas falando sobre morte e amores, muito influenciado pelas minhas repetidas leituras de Álvares de Azevedo (não gostava de Augusto dos Anjos, o niilismo dele me dava nojo). Comecei a me afastar assim que o padre da Igreja foi bastante rude comigo, e eu nem sabia o motivo - hoje não o culpo tanto, eu até sabia que era sua característica. E isso me abriu a cabeça pra perceber: se o cara que deveria ser um representante da palavra de Deus na minha comunidade me tratava daquela maneira, como eu poderia confiar no que ele dizia? Não deveria ser palavras de amor e cuidado, além de cobranças e coerção?

Enfim, o tempo foi passando e acho que o ponto de maior afastamento da "Santa" Sé - e maior transformação em minha mentalidade - foi quando eu li Rousseau e, posteriormente, Sartre. Eu já possuia pensamentos utópicos (e não vejo o termo como pejorativo) sobre uma humanidade igualitária e feliz, e percebi que o existencialismo sartreano era um pensamento bastante coerente em si mesmo e, principalmente, em seu ateísmo. Então, desde a passagem do terceiro para o quarto período da faculdade - quando li O Existencialismo é um Humanismo, Entre Quatro Paredes e o começo da Crítica da Razão Dialética - eu comecei a me considerar ateu, sem ter maiores mágoas sobre isso. A Náusea, no final daquele ano, me abriu a mente para refletir sobre a miséria da existência, aliando-se as leituras prévias que eu tinha de Marx.

Dentro da faculdade, não quis entrar no Movimento Estudantil por alguns motivos. As pessoas que nele participavam pareciam mais preocupados em seguir a cartilha de algum partido do que atuar como uma instituição minimamente coerente. As vezes me pareciam se preocupar mais em defender um ideal do que lutar a favor das pessoas - não que seus ideais estivessem errados, mas suas intransigências teóricas me pareciam negar à priori qualquer tipo de diálogo com alguém que possuia críticas pontuais a todos aqueles partidos, como eu. Sendo assim, continuei com meu pensamento crítico da política, apoiava quando o Movimento pedia apoio (como em doações ou em diálogos em sala de aula), mas não quis fazer parte, pois imaginava que minha voz não seria ouvida lá dentro. Preferi concentrar meus esforços nos estudos.

Acho que muito do que me formou foram conversas com amigos e livros que li. Tenho pouca experiência na vida por ser jovem, e acho que tenho algum medo das pessoas desconsiderarem minhas opiniões por me acharem só um burguesinho da Barra da Tijuca (lugar que não gosto nem de morar e nem de seu conceito), que apesar de ter algum pensamento libertário, não compreende o que acontece no mundo de verdade. Talvez o meu maior argumento contra isso seja que eu reflita, critique e leia bastante (e mesmo assim, não acho o suficiente).

Reflita demais, talvez. Tenho um puta medo de ser incoerente, em algum ato, ou de ter alguma ação impensada que atinja a outro. Sei que não consigo pensar tudo da maneira que tenho convicção que é certa, mas a formação de nosso caráter e de nossas bases mentais é um processo, né? Nada nasce do nada. Tudo que somos, no momento, se faz, a partir de nossas escolhas, se desenvolvendo a longo prazo... Meu mestre do Karate, Sensei Marcos Cutrim, disse-me uma vez: "Bruno, você nunca deve se arrepender de nada. Mas tem que fazer tudo bem feito, para nunca ter de se arrepender". Se eu tenho algum lema da vida, é esse. Bato no peito e digo que possuo pouquíssimos arrependimentos, mas que todos os poucos que tenho torceram meus pulmões como panos enxarcados, cachoeirando lágrimas pelo meu rosto.

Emocionalmente, já tive momentos de extremo entreguismo emocional, seguido por um longo período de congelamento do miocárdio. Hoje, não vejo os dois como antítese: tenho uma tese de que pode-se ser calculista, refletindo sobre o que se faz e o que se toma, e amar ao mesmo tempo. Aliás, acho que esse deve ser o verdadeiro amor humano, aquele que inclui a emoção no todo que é amar, e não o que toma a emoção como o todo. Vejo que considerar amar só emoção é negar o outro lado. Amar é uma relação, não só entre emoções, mas entre pensamentos, comunicações, linguagens... cada relação amorosa é diferente em si, porque cada um é cada um! É respeito ao outro, antes de tudo. Desisti de procurar, como procurava antes de entrar na faculdade e em meus primeiros relacionamentos, um conceito universal para o amor. Um modelo. Talvez tenha sido a coisa mais importante que eu tenha mudado nesse meio-tempo.

Não crio nenhum mistério sobre mim, mas geralmente prefiro não me expor. Acho que produzir esse texto me fez refletir melhor sobre mim e sobre o que eu penso do mundo, pesar de ter tratado de um recorte tão pequeno do que um ser humano pode ser. Cogito nesse exato momento se devo publicá-lo ou não. Bem, vamos ver as repercussões como um teste de exposição. Acho que, no fim, vai servir pra eu ler esse texto daqui a alguns anos e ver no que mudei novamente :)

Beijos e abraços aos que tiveram saco de ler :)

7 Comments


  1. caso grave de múltipla personalidade says:

    esse negócio de você ser carocha de igreja... não sei não.
    sobre o amor, você tá certíssimo. não só no amor, mas em todas as práticas da vida tem que ter um equilíbrio interprenetrável das faculdades racionais, emocionais e volitivas. claro! porque sem vontade você não faz nada.

    ademais, não há vida mais apoética do que a vida do poeta. então você, como poeta, tem razão em não se expor, mas usar esse texto como um exercício de distanciamento de si para que você possa se olhar criticamente, através de outro ponto de vista.

    adorei o texto, tu é muito interessante, rapá! ("i dig". senha pra postar o comentário)

    20 de outubro de 2010 04:16

  2. Ana Maria Madeira says:

    Acabo de assistir a uma palestra sobre redes sociais (business, my dear ¬¬) em que o mesmo palestrante que soltou que a "Wikipedia é a Revlução Francesa sem uma gota de sangue" disse que "A reputação é a moeda do século XXI" - duas bobagens de matar.

    Quando se fala em reputação, a ideia mais simplista a se costuma associar é exposição. Sabe o que penso? Que aquela máxima "Não se exponha para ter boa reputação" - que agrada tanto a "gente equilibrada" é só uma forma de dizer "Não comunique". É impossível se relacionar em qualquer âmbito sem colocar nisso alguns pedaços de si.

    E quando a necessidade é de refletir acerca do próprio pensamento sobre o mundo - e tudo o que você já fez nessa vida preocupado em melhorá-lo - a exposição é indolor, fina e tradução de pensamentos de beleza e amor.

    20 de outubro de 2010 07:09

  3. Paty says:

    Interessantíssimo o seu texto, condordo e discordo em algumas coisas.. Concordo em relação ao amor.. quando paramos de nos preocupar as coisas acontecem..

    Parabéns!

    P.

    24 de outubro de 2010 08:54

  4. Marcelo Fernandes says:

    Muito interessante o seu texto, camarada. É interessante ver outras pessoas preocupadas com sua personalidade em constante formação e com sua atuação em nossa sociedade. Até onde me parece, o marxismo e demais teorias geradas em solo universitário apreendidos por você te levaram a uma linha de pensamento social muito similar a que a Bíblia começou a me levar a partir dos meus 18 anos, quando me converti e passei a frequentar uma igreja protestante.

    Só um porém: considero que se acreditamos em algo não devemos deixar que uma maioria de uma instituição ou grupo que tenham perfil desviante nos afaste de locais privilegiados para a mudança. As vezes podemos estar lá só pra começarmos a mudança no outro, que a princípio deveriam nos ensinar, seja ele o padre da igreja ou os militantes do CAMMA e DCE.

    Grande abraço, com meu sincero respeito

    25 de outubro de 2010 12:16

  5. Inconveniente

    Que mudamos, muita gente sabe. Não digo todos, porque sempre há aqueles que teimam em dizer “você é muito legal, continue sempre assim”, e negam a característica mais humana que existe que, em minha opinião, é a nossa capacidade de se construir – e consequentemente se modificar.
    Fico feliz de saber que existem pessoas que gostam de fazer balanço de quem são e reconhecem suas fragilidades e defeitos, não como dignos de serem exaltados, mas com maturidade suficiente pra compreender que esses mesmos defeitos juntamente com as qualidades é que constituem você.
    Amar tem sido vulgarizado, tem perdido a poesia, dando seu lugar a um romantismo raso. Amar tornou-se produto. Escolhe-se aquele que mais lhe parece interessante, paga-se um preço por ele, torna-o somente seu até que um novo produto apareça. O produto já desgastado é trocado por um novo, ou muitas vezes perde o valor depois do uso. Há consumidores que ainda exigem seus direitos no PROCON, alegando o produto não ter atendido suas expectativas.

    Adorei o texto. Adorei a reflexão e estou apaixonada. Posso te adquirir como produto? Brincadeira.

    18 de novembro de 2010 04:41

  6. EdutitaTaty says:

    Eu passei pela mesma trajetória. A diferença é que sempre fui crítica e, mesmo quando estava na igreja, eu tinha uma visão muito clara de da hipocrisia que insistia em me rodear. E quanto ao grêmio, participei de um no ensino médio e, na faculdade, eu não quis participar pelos mesmo motivos que você. Percebi algo que ia mais além: as pessoas que participavam do grêmios eram os alunos que menos participavam das debates políticos em sala de aula ou que quando faziam estavam carregados de equívocos.

    5 de janeiro de 2011 07:09