quinta-feira, 14 de abril de 2011

Tudo rejunvelhece

Posted in by Bruno Marconi da Costa | Edit

Em sursis.
Com o mundo que muda, o resto cria ruga.

Seguramos nossos dedos,
com o doce passar das tardes. 

A noitinha começa a cair e,
com um leve esfriamento penumbrioso,
parece acolher-nos em alívio imediato.

Chega a noite vazia:
Nossos dedos não estão mais tão fortes.
Lutam entre si, tentando se apertar.

A madrugada esfria,
O apertar dos dedos não faz mais tanto sentido
A luta começa a esvair-se
Como machucados que curam rápido demais.

Quando tudo parece estar perdido,
E os dedos encostam-se apenas por uma célula...

A manhã chega,
e
lentamente
os dedos
apertam-se.

4 Comments


  1. Tamy Toro says:

    Este comentário foi removido pelo autor.

    9 de maio de 2011 17:20

  2. Isolda says:

    Muito bom.

    9 de maio de 2011 17:32

  3. Beatriz de Brito says:

    Praticamente adivinhei que você é de peixes. Poema muito bonito. Mas como é tosco dizer que é "bonito", vou dizer que você deve ter uma mente insana, o que não é um insulto. Insanidade é tão mais legal...

    13 de dezembro de 2011 15:27

  4. Robson Araújo says:

    E ae cara, blz? por acaso acabei passando por aki,por acaso tb acabei lendo,haha. curti o blog,tu escreve bem, e pelo que vi,gosta de camoes, ele é foda! rs.. parabens ai pelas escritas...abraços

    24 de julho de 2012 14:06