quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Cortes

Posted in by Bruno Marconi da Costa | Edit

Em pé, na estrada, te desejo;
Na viagem dos dias, me destrói o peito.
Sem ar, canso por esquecimento
Do cambaleante peso que contempla a luta.

De joelhos, na taverna, te maldigo;
Numa prece caótica, me completa.
Forçado é o riso, mas perenes
São as cicatrizes que me levam.

Sentado, na cama, te espero;
Entre as sobras do desespero, uma esperança.
Nos meus olhos fundos, sem mordaça
Nas memórias de onde fui e do que eu era.

Tu és a adaga comemorativa
Das batalhas que travei por 10.000 anos.
Lutei; fui derrotado;
Saltei como cavalo e me arrastei como rei;
No fim
Venci.

3 Comments


  1. Anônimo

    Deixe de escrever não. Quem sabe um dia leio um livro teu!

    26 de janeiro de 2012 13:37

  2. Rodolfo Rodrigues IV

    Fala meu velho!
    Muito bom, escrevendo!

    Vai voltar para o PVS não?!
    Abração!

    Rodolfo

    26 de janeiro de 2012 15:17

  3. Edilma::.. Maria says:

    Uma descoberta! ;)

    8 de junho de 2012 19:02